DECIDOPÉDIA - uma enciclopédia de decisões Escreva aqui o título do futuro

Última modificação 13:31, 13 Maio 2012 por  lala

De $1

    Conteúdo
    sem cabeçalhos

     

    Imagina uma enciclopédia não do ontem mas das coisas que decidimos livremente, deliberadamente, que vamos querer no mundo
     Uma decidopédia não tem os verbetes impostos pelo nosso mundão insano, tem aqueles que decidimos fazer existir.

    Dia da Redenção

     Celebrado em toda a Via Láctea, na última sexta feira de abril de cada ano solar, o Dia da Redenção comemora a abertura, ocorrida na ultima sexta-feira de abril do ano de 2014, de todos os emprisionamentos remanescentes,  após cerca de 70 anos de intensas atividades de reativação da compaixão,  desembotamento das funções perceptivas e intelectivas, difusão de informações e articulações operacionais. Nesta data, a unidade humana, assumiu e implementou a abertura em todo o planeta dos últimos cativeiros onde restavam seres [email protected] (cativeiro é o termo genérico que se usava para designar instalações pré-misericordiais como jaulas, gaiolas,laboratórios, currais, granjas, internatos, manicômios, penitenciarias,fabricas de leite e ovos, etc, estabelecidas por [email protected] [email protected] visando privar - usando diferentes pretextos - terrá[email protected] [email protected] de seu direito à liberdade de existência e auto-determinação, de forma a utilizá[email protected] para fins diversos, em especial como mercadoria ou [email protected] de mercadorias [email protected] [email protected] ou animais) [email protected] ou "reformá[email protected]" -no caso [email protected] livres-pensantes, ou divergentes das leis [email protected] [email protected] ou também, seguindo a mitologia e as superstições vigentes "curá[email protected]" -no caso [email protected] livres-sentintes, pacientes psiquiá[email protected] e [email protected]

     A abertura dos cativeiros foi a culminação de uma onda evolucionária primordial que cobriu de Amor todo o planeta, inspirada por [email protected] de diferentes espectros ascencionais como Jesus, Gandhi, a Mãe, Marley, e difundida mediante a prática, pela constelação gloriosa formada [email protected] [email protected], artistas, [email protected] da síndrome de Down, crianças, flores e riachos claros.

    Após várias décadas de instabilidades no sistema servil-matante, penitenciário e manicomial, multidões de [email protected] tristes, vacas, galinhas, [email protected], ovelhas, [email protected], foram [email protected] [email protected] @s sem-liberdade ([email protected] e [email protected] [email protected]) foram [email protected] a novas moradias transicionais, preparadas desde 2012 para o fim especifico de possibilitar a reintegração [email protected] seres a vidas condizentes com seus ambientes originais. E as instalações anti-liberdade passaram imediatamente a ser re-estruturadas pelas populações de [email protected]/[email protected] em celebrações de multi-raves, e convertidas em parques temáticos intele-sensoriais baseados no modelo de Barcelona concebido por Laurie Anderson, Peter Gabriel e Brian Eno.

    A queda dos cativeiros desumanos abriu o caminho para a reunificação terráquea. A historiografia aponta esta data também como o fim da chamada Paz Fria..

    Alguns coletivos, como o Movimento do Amor (o maior do gênero no Sistema Solar), organizam a cada ano, nessa data, eventos educativos, sensoriais e interdimensionais, voltados principalmente a [email protected] com problemas de memória e alguma debilidade moral, visando preservar anseios interiores do universo e a lembrança dos fatos, bem como canalizar positivamente eventuais reminiscências do MSL, o movimento dos sem-liberdade ([email protected], [email protected] e [email protected]).

                     Outros temas refletidos e dialogados, e que ganham evidência nestas comemorações são: inserção do reino mineral nas instâncias de decisão; preservação do direito dos minerais de ficarem onde estão sem serem minerados, vendidos, exportados, negociados em bolsa, ter sua imagem associada a derivativos e demais instrumentos de apropriação individual das riquezas compartilhadas do universo, transportados e molestados, discriminados por parte da polícia, ter cotas para cristais nas universidades, identificação dos reinos, moda e beleza da ecosfera, etc.

                    O hino do Dia da Redenção, (Redemption Song) escrito originalmente em inglês jamaicano, traduzido para todos os idiomas é ensinado em todos os parques de aprendizado projecional da Reacemde (Rede Autonoma Comunitaria de Educação Mutua, Desenvolvimento e Envolvimento), que marcou a superação do arcaico "sistema de ensino" vigente entre o seculo 18 até o inicio do seculo 21.

                    O dia é celebrado desde 2014, embora só tenha ampliado seus eventos nos últimos anos; até então, a alma redencionista precisava se contentar  desejando fervorosamente o bem nos dias da Páscoa e da Abolição da Escravatura - comemoração esta que embora tenha sido importante como marco de inicio da transformação, foi substituida posteriormente por se limitar a enfatizar apenas [email protected] e estritamente @s afrodecendentes, excluindo todos os demais terráqueos encarcerados, das várias espécies.

                    Este feriado é uma data dedicada à gratidão e preservação da consciência sobre a transmutação da espécie desumana em espécie humana mediante a transformação da atitude em relação a todos os seres do planeta Terra.

    Ligações externas

     Gandhi
    Tolstoi
    www.amaefazoquequiser.uni
    Direito animal Portal dedicado ao direito a autodeterminação

     Chocolate Amargo faz muito tempo que não precisa tirar o leite dos bezerros  pra fazer chocolate
    *****************************************************************************
     DECIDOPÉDIA
     (pra que se contentar com os verbetes das coisas que a gente não criou, se a
    gente pode criar coisas muito mais legais... e tem a vantagem de que quando a gente decidir parar de enrolar e ir criá-las de uma vez por todas, o verbete ja ta pronto?)

    O Rodrigo Espinosa Cabral escreveu o seguinte:

    Rede BigVegan. Os mercados BigVegan, popularmente conhecidos como Super Veganão, não tem açougue, nem aquela geladeira tamanho muralha com todos os tipos de queijos e carnes, nem vende produtos Sádica e Perdição e nem produtos de limpeza e outros que testam em animais).

    (...) Trigano Eu sou Trigano. E Trigueiro. Não sei direito o que significa Trigano, me parece mais uma barraca iglu orgânica e solar, montada na margem de um rio no alto da serra. Tem um pé de maçã ali perto. Meu lado Eva me leva ali. E come maçãs. Meu lado Adão coça o corpo por baixo da roupa de folhas. Tenho também um trator solar, para dar uma banda pelo parque Triganeiro. O Triganismo surgiu em 2009 após longas conversas na lista da SVB Floripa. Como forma de gerar oxigênio sem toxinas e de dar um abraço forte em toda essa moçada Veg, verde, vertente, fonte, rio e oceano. Eu não sei o que ele é, mas sei que ele já está num mundo mais adaptado à Liberdade. Ele inclusive prega (sem pregos, apenas com passando o dedo no rosto com carinho)

    (...) . Sou Triganeiro. Preciso tomar sol, desligar o computador, porque os Triganeiros evitam a poluição eletromagnética e acham que falar é a própria domesticação da vida. Mas cantam pra caraleo. As vezes quando nasce o dia, junto com os passarinhos. Uns sobem nas arvores mais altas e tocam os dedos nos primeiros raios de sol. Outros esperam que o sol lhes acorde mansa quente e vagabundamente na relva onde dormitam e sonham com tempos menos opressores. Quase nenhum deles fica pegando no pé nos outros. Só quando realmente dá tesão, nunca por acharem que o pé de uns deve vestir o mesmo sapato que o do outro. Os pés tocam o chão e andam pelo mundo. Naturalmente.

    E eu plagio desbragadamente: Restaurante Vegano Soni com aquecimento solar, biohorta vegânica, cisterna, captação da água da chuva, pomar, biblioteca, bicicletário, cozinha fantástica, musica ao vivo nas noites de lua cheia, não vejo melhor forma de servir ao veganismo.
    O momento da virada. Quando a pessoa por algum motivo para de repetir, imitar, fazer coisas sem saber o por  quê (pára, por exemplo, de comer outros seres senscientes), costuma ser um momento lindo e cheio de luz. A hora da semente, se abrir e ir em busca de uma vida. E que talvez fica o resto da vida sem conseguir explicar com palavras esse momento por mais que escreva livros, dê palestras, participe de leituras, argumentações e tudo, tudo, tudo o mais.

    Lolita
    <[email protected]>
    Date: 2012/4/12
    Subject: Re: Decidopédia
    To: [email protected]
     

    Tags:
    • No tags
     
    Imagens (0)
    Comentários (0)
    Faça o login para escrever um comentário.